Há uma chance muito real de que ‘Viúva Negra’, de Cate Shortland, seja o último filme da Scarlett Johansson na Marvel Cinematic Universe com esta personagem, a super espiã astuta / uma mulher do exército Natasha Romanos. O que seria uma pena. Porque, enquanto é a oitava viajem de Scarlett no carrossel da MCU desde que ela apareceu pela primeira vez em ‘Homem de Ferro 2′, em 2010, é a primeira de Florence Pugh, como antiga colega soviética e espiã, antagonista e meio que irmã, Yelena Belova, em uma prequela aparentemente projetada para doar o manto de Viúva Negra para ela – agora que Natasha está morta, aparentemente sem volta, em um planeta alienígena. E se a química fácil, engraçada e faiscante que a as atrizes americana e britânica demonstram em uma chamada com a Empire no início deste verão for traduzida nas telonas, a Marvel deveria tentar colocá-las juntas em cada oportunidade. Preaqueças, spin-offs, sitcoms, qualquer coisa que der certo. Ainda assim, como alguém disse uma vez, o futuro não está definido e durante uma entrevista para a Empire, Scarlett e Florence falaram sobre o presente, o passado e o caminho que guiaram a Marvel à fazer um filme com protagonista e direção femininas que almeja destruir tudo…

Qual foi a última vez que vocês viram uma a outra em carne e osso?
Scarlett Johansson: Eu te vi por volta da época do Oscar…
Florence Pugh: Mas nós fizemos refilmagens dois ou três dias após isto, lembra, amor?
Scarlett: Ah, é mesmo. Nós duas estávamos doentes.
Florence: Nós nos vimos muito durante a temporada de premiação, o que foi tão legal porque nós tínhamos acabado de finalizar um filme juntas. E então eu precisei ir cutucar a Scarlett nos tapetes vermelhos e ficar tipo “Está tudo bem, eu a conheço.” Mas sim, foi muito estranho não estar com ela. Nós começamos há mais de um ano, amor. Foi em maio (2019) que nós estávamos treinando juntas.
Scarlett: Antes de eu e você começarmos a trabalhar nisto juntas, eu tive um ano ou dois de desenvolvimento das coisas. Foi tão longo. Já fazem quase três anos, na verdade. Eu estava pensando nisto um dia desses. “Quando eu comecei essa discussão com significância?” Eu lembro quando nós estávamos gravando ‘Guerra Infinita’, eu comecei a conversar com o Kevin Feige sobre isto como uma possibilidade de verdade e real. Isso foi há muito tempo. Faz uma eternidade.

Vocês se conheceram pela primeira vez há mais de um anos atrás, eu presumo que uma dando porrada na outra?
Florence: Literalmente. Eu nunca tinha feito um desses filmes antes, então eu estava muito ansiosa para chegar lá e começar a aprender a fazer as coisas, porque eu não sabia exatamente o quanto esperava, de alguém que estava entrando para um desses filmes. A coisa mais engraçada foi que nós começamos a fazer alguns ensaios de cenas, que eram adoráveis, mas na primeira semana das nossas gravações, eu e a Scarlett tínhamos uma das nossas maiores cenas de luta das nossas personagens, a que elas se encontram pela primeira vez após anos. E foi a primeira vez que nós nos conhecemos, então nós estávamos fazendo esses ensaios e eu ficava tipo “Certo, eu vou te enforcar agora e depois você vai me jogar na parede.”
Scarlett: É tipo um exercício de confiança muito agressivo. Como atores, geralmente você cai de volta na pessoa ou vocês encaram uns aos outros e dizem a mesma palavra por tipo 20 minutos. Apesar de eu ter que falar isto, foi muito efetivo. Apenas como atores alguém teria a oportunidade de fazer algo como isto. É insano. É um trabalho tão engraçado e estranho, em que você pode conhecer a pessoa pela primeira vez em um ensaio e um dia e meio depois você está gritando e chorando uma com a outra, segurando uma a outra e você tem meleca escorrendo pelo seu rosto e você expôs toda a fragilidade da sua criança interior.
Florence: A parte mais legal disto é quando você conhece alguém que está tão empolgado com este tipo de coisa como você. Faz toda a experiência um pouco mais divertida. Não é todo mundo que gosta de ser jogada no chão o tempo todo, mas eu e a Scarlett amamos.

Scarlett você deve estar sempre espancando as pessoas em segundos após conhece-las já faz um tempo agora.
(…)
Florence: Quando nós estávamos fazendo a nossa primeira luta, eu estava muito preocupada com uma acrobacia que eu tinha que fazer e eu estava basicamente tentando mergulhar no ar enquanto cortava as pernas dela e então eu rolava. Para uma pessoa normal isso é praticamente impossível. E eu lembro de ficar preocupada com isso: Eu não sei se eu vou conseguir fazer isto.” A Scarlett ficou tipo, “Amor, tem um motivo para você ter alguém que é igualzinha à você do seu lado. Ela é uma atleta e ela sabe como fazer isto e vai ficar ótimo.”

Há coisas que você não tem dublê para fazer: a atuação. Vocês podem falar sobre isto e como trabalharam neste relacionamento entre essas personagens para ser fraternal, mas com um limite disto?
Florence: Foi uma completa alegria. Mas também, eu realmente cheguei para um enredo que eu não fazia parte e eu precisava que me educassem. Eu sei um pouco porque eu assisti os filmes anteriores, mas foi muito incrível ter a mulher com quem eu estava trabalhando não sendo apenas a rainha desta terra, mas ela sabia tudo. Foi ótimo chegar e encarnar este relacionamento complicado, seja havendo muito amor uma pela outra, mas também muita dor por trás deste amor que realmente leva um filme inteiro para que elas se abram uma com a outra.

O filme é uma prefácio. Há um grande motivo para isto, que é pela Natasha estar morta agora no MCU. O que é um grande choque – Florence, eu presumo que você viu ‘Endgame’?
Florence: (risos) Eu assisti, não se preocupe.
Scarlett: Alerta de spoiler.

(…)

Florence, você tem assistido o MCU com olhos de águia e o progresso da Scarlett como Natasha durante a última década ou algo do tipo?
Florence: Eu não era fanática. Sem ofensas, Scarlett. Eu não sei todas as informações sobre todos os personagens, mas eu me lembro de assisti-los na minha época de adolescente. Eu definitivamente me mantinha atualizada. Tanto que eu fiquei muito triste – eu lembro dos primeiros vazamentos sobre a morte da Natasha e eu lembro que foi muito injusto porque ela era a mulher mais legal. Eu lembro de ficar chocada. mas é engraçada ter trabalhado em um filme que as pessoas tem torcido por décadas e poder trabalhar ao lado e assistir a Viúva Negra.
Scarlett: A Florence fala todas essas coisas, mas ela tem muito integridade e a personagem dela tem muita integridade. Ela realmente é independe.te A personagem é tão cheia de vida e tão fiel à si mesma. Todas são qualidades que a Florence possui. É realmente fresco. É uma performance tão empolgante e fresca de se assistir.

(…)

Scarlett: Mas este filme vai felizmente não apenas elevar o gênero (feminino), mas vai ultrapassar os limites da Marvel e novamente forçá-los a sair da zona de conforto deles de uma forma completamente diferente. É uma oportunidade muito única de fazer um filme desta escala que possui uma mensagem muito comovente, profunda e poderosa por trás. Eu acho que nós alcançamos isto.
Florence: Sim. E você percebe isto nos dez primeiros minutos do filme. Você já é bombardeada com coisas maravilhosas que não estaria em um filme, em nenhum filme, há cinco anos atrás. Foi muito bom assistir.

(…)

Florence: É incrível. Eu preciso dizer: eu assisti uma versão, eu sentei no sofá e toda hora que acontecia algo que tinha qualquer ação eu ficava tipo “Vamos lá, Natasha! Vai! Vai!” eu fiquei tão empolgada por ficar gritando para a minha própria televisão.

Você faz isso em todos os filmes da Scarlett? Por exemplo, em ‘História de Um Casamento’? “Vai, Scarlett, vai!”
Scarlett: Sim, ela faz para todos eles. Ela amou a cena do divórcio no tribunal. Ela estava torcendo para mim.
Florence: Eu sempre estou torcendo para todos os personagens dela. “Vá se divorciar!”