Fonte: The Guardian

Simon Armitage, o poeta premiada, juntou forças com a atriz Florence Pugh para um lançamento de caridade de seu poema sobre a crise do coronavírus. ‘Lockdown’, inicialmente publicado em março, foi transformado em música e será vendida para ajudar a levantar dinheiro para a instituição de caridade ‘Refuge’, sobre abuso doméstico.

O poema conta com Simon e Florence lendo as falas da música que começa ameaçadoramente e torna-se hipnótica e eufórica. Simon tem feito faixas de seus poemas com os colaboradores Richard Walters e Patrick J Pearson, coletivamente conhecidos como LYR, há alguns anos. O envolvimento de Florence – indicada ao Oscar e ao Bafta por seu papel em ‘Adoráveis Mulheres’ neste ano – foi maravilhoso, ele disse. “Ela traz tanta inteligência e crepitação”.

A faixa foi gravada remotamente durante o atual lockdown. “Nós estamos muito familiarizados com colaborações à distância,” Simon disse. “Nós já passamos tempo juntos em estúdios, mas nós estamos mais acostumados a juntar as coisas através da internet, então isto foi algo que nós conseguimos montar bem rapidamente.”

Armitage, um antigo oficial de justiça, disse que ele ficou orgulhoso de que o dinheiro iria para a Refuge. “Um sub-texto do poema é a dificuldade de comunicação durante situações estressantes. Nós temos estados especialmente conscientes do crescimento dos casos de abuso doméstico e violência contra a mulher e crianças durante as restrições do coronavírus.”

O poema ‘Lockdown’, primeiramente publicado no The Guardian, vai do surto de peste bubônica em Eyam no século XVII, quando um fardo de pano de Londres trouxe pulgas carregando a praga para a vila de Derbyshire, até o poema épico ‘Meghadūta’, do poeta sânscrito Kālidāsa.

O poema tem um senso de otimismo e crença. “Eu não queria simplesmente escrever um dirge ou uma elegia, mas eu não queria escrever uma peça trivial de penugem também,” disse Armitage. “É algo que eu me orgulho muito. Eu senti um tipo de pressão para produzir algo e não é assim que eu geralmente trabalho e demorou um tempo para juntar tudo.”

A resposta ao poemta tem sido emblemático de um interesse mais amplo em poesia durante o lockdown. “Eu acho que as pessoas estão interessados em poesia, não apenas em escrever, mas em ler… Pode ser algo para se focar e manter tudo junto por um tempo.”

A faixa ‘Lockdown’, que também conta com Pete Wareham de ‘Melt Yourself Down’ no saxofone, será lançada digitalmente na quinta pela gravadora Mercury KX. O álbum de estreia do LYR será lançado no dia 26 de junho.

Sandra Horley, chefe executiva da Refuge, agradeceu ao Armitage e seus colaboradores. “Quase uma em três mulheres irão vivenciar abuso doméstico em algum ponto de sua vida; é o grande problema social que as mulheres e garotas precisam enfrentar neste país. O apoio público para serviços como os nossos é mais importante agora do que nunca. A linha de apoio do Refuge é crítica e os nossos refugiados continuam necessitando de apoio urgente e segurança para mulheres e crianças presas com seus abusadores durante o lockdown. A vida de mulheres depende disto.”

Leia o poema a seguir:

E eu não conseguia escapar do sonho acordado
de pulgas infectadas

na urdidura e na trama do pano encharcado
pela lareira do alfaiate

em vós velhos Eyam.
Então não podia des-ver

a Pedra da Fronteira,
aquele dado de olhos arregalados com seus seis buracos escuros,

dedais cheios de vinho vinagre
limpando as moedas atormentadas.

O que trouxe à mente a triste história
de Emmott Syddall e Rowland Torre,

amantes de estrelas cruzadas de ambos os lados
da linha de quarentena

cujo namoro sem palavras atravessou o rio
até que ela não veio mais.

Mas dormiu de novo,
e sonhou dessa vez

do yaksha exilado enviando uma palavra
para sua esposa perdida em uma nuvem passageira,

uma nuvem que seguia um mapa terrestre
trilhas de camelo e trilhas de gado,

córregos como colares,
pavões de cauda leque, elefantes pintados,

colchas bordadas
de prados e sebes,

florestas de bambu e picos nevados,
cachoeiras, riachos,

os hieróglifos dos guindastes de asas largas
e a brilhante flor de lótus depois da chuva,

o ar
hipnoticamente transparente, raro,

a jornada é pesada às vezes, longa e lenta
mas é necessariamente assim.

Veja o clipe e ouça Florence recitando (e cantando no finalzinho) a seguir: